QUEM CONTA…

QUEM CONTA…

QUEM CONTA…

QUEM CONTA… é composto por cinco monólogos que funcionam independentes uns dos outros, mas com um ponto comum: a luta contra a homofobia.

Rui, Ana, Jaime, Luísa e Ivo, falam com alguém (alguém que não vemos nem ouvimos), contando estórias que não ficaram para a História, mas que fazem parte da sua construção e da vida de cada um.

5º Esquerdo, Arroz Doce, Cieiro, Rosa e Mariposa, são cinco textos que mostram como é normal a vida com todas as diferenças que cabem nela.

5º ESQUERDO

Um homem, Rui, conta como foi assumir a sua orientação sexual e o seu namorado. Relata os confrontos que enfrentou e se obrigou a ter para ser aceite e, sobretudo, conseguir aceitar-se.

ARROZ DOCE

Ana revisita memórias dando a conhecer um pouco de si e da sua família. Serena, conta-nos como foi crescer rodeada de amor e alguma disfunção familiar. Enquanto recorda o segredo da receita de arroz doce da sua avó faz-nos descobrir uma bela estória de amor.

CIEIRO

Jaime, um homem que se esconde de si mesmo para não se afirmar aos outros. Perdido num mundo de preconceitos que o limitam, que não o deixam viver e ser quem é, Jaime fala da tristeza que sente por não ter podido viver um grande amor. Jaime será sempre alguém que viverá longe do que deseja por não se aceitar.

ROSA

Luísa conta a estória de Miguel, seu irmão. Fala-nos da infância e de como a entrada na adolescência e a passagem para a idade adulta, separaram e voltaram a unir os laços que os uniam. Luísa conta-nos a experiência de acompanhar de perto alguém que nasceu a sentir pertencer a um género diferente. Miguel foi uma Rosa que não podia florescer.

MARIPOSA

Ivo não é um homem comum. É um homem sofrido e marcado pelo passar do tempo e das estórias que se cicatrizam na sua pele. Numa noite, encerrado numa sala de uma qualquer esquadra, destila o ácido que o mantém à tona da vida.

Ficha Técnica e Artística

Brevemente

______________________________________________________________________________

Com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa

Trópico de Artes